YES, WE HAVE BAÍTA

Walmir Rosário*

Não me lembro bem do ano, mas juro, se minha memória não falha, que o fato aconteceu no início da década de 60, no bairro da Conceição – ainda com aquele jeito suburbano, mas que já demonstrava vocação de desenvolvimento. O fato aqui relatado foi motivo de orgulho para empresários e políticos itabunenses, compenetrados que estavam com a inauguração de uma promissora indústria de cerveja, a Baita.

Os mais novos podem até não entender o motivo desse orgulho, como se tratasse apenas de patriotada. Não, Itabuna competiria com os estados do Sul e Sudeste, única região do País que detinha a primazia de industrializar cerveja, produto trazido para Brasil pelos alemães, dentre outros europeus.

Agora, sim, Itabuna, o eldorado do cacau, com experiência restrita ao comércio, praticado com sabedoria pelos sírios e libaneses (ou turcos, quando queríamos zombar deles) iríamos partir para a industrialização, competir com o Rio de Janeiro e São Paulo.

José de Almeida Alcântara inaugurou a cervejaria

As notícias dadas como manchetes nos jornais locais eram ufanistas (como desenvolvimentistas empedernidos que sempre fomos) e já sonhávamos com as chaminés despejando fumaça nos céus. Ao invés da mão de obra rural, acostumada a podão e biscó (espécie de facão do sul da Bahia), teríamos operários de macacão apertando parafusos, azeitando máquinas, alimentando caldeiras. Era a glória!

Mas de onde viria essa empresa disposta a investir em Itabuna? O quê esses capitalistas estrangeiros teriam vislumbrado para montar uma indústria dessa magnitude, já que no máximo nos contentávamos com pequenas fábricas de cachaça? Mesmo assim do tipo “rinchona”, baldeando o produto vindo do alambique com álcool comprado em tonéis de 200 litros das usinas de Sergipe e Alagoas, conforme reclamavam os paladares mais exigentes.

Não, não se tratava de investidores alemães ou suíços acostumados aos lucros exorbitantes conseguidos com a compra de cacau e os adiantamentos feitos aos cacauicultores, que geralmente terminava com a entrega das fazendas. Nada disso, em Itabuna existia gente disposta a investir no desenvolvimento local, gente que não destoava de seus antepassados, responsáveis pela grandeza da cidade.

Claro que não eram homens poderosos, coronéis do cacau, acostumados a se meter em outras lides, derrubando matas, plantando cacau, fazendo pasto para colocar gado. Eram duas pessoas simples, trabalhadores, moradores do singelo bairro da Conceição, devotos da santa padroeira e fiéis assíduos das missas rezadas pelos frades capuchinhos Justo, Isaías e Apolônio.

Um, Antônio Vieira, era homem de saberes, professor de línguas – latim, português, francês e inglês – aprendidos no seminário, onde se ordenou padre, tendo deixado o hábito tempos depois, mas isso não importa agora. O outro, Zacarias bem esse já era diferente e tinha pendores (ou know-how, como dizem os americanos) para tal mister, pois detinha conceituados conhecimentos para a fabricação de vinagre. 

Embora possa parecer que a ideia de fabricar cerveja tenha partido de Zacarias, a história é bem diferente, e foi justamente o professor Vieirinha quem convenceu o outro a formar sociedade. Mesmo antes de montar a Baita, o professor Vieira já era possuidor de um equipamento cervejeiro doméstico, e não relutava ir ao Rio de Janeiro e São Paulo para comprar malte, lúpulo e outros insumos próprios para o fabrico.

Nos fins de semana em que fabricava sua cerveja caseira era uma festa para os amigos, vizinhos e a garotada, que se transformavam em “pilotos de provas”, entre eles meu irmão Valter Rosário, amigo de seus filhos. Com esse aprendizado foi um pulo comprar equipamento para fabricar a mais legítima cerveja itabunense, baiana. Daí o nome Ba-ita, junção patriótica de Bahia e Itabuna.

Lembro-me como se fosse hoje a chegada dos caminhões com o maquinário e insumos. Uma festa para a garotada, que conferia a todo o dia a montagem da indústria. Aos poucos a fábrica foi tomando corpo, as experiências feitas, até os mestres cervejeiros darem o produto por acabado. Agora era a vez de vender, convencer os donos de bares a comprar a bebida, “filha da terra”, como diziam, arrematando que “não ficava nada a dever à Brahma e Antárctica”.

Como parte do marketing, tinha os frades capuchinhos para abençoar o empreendimento, o prefeito Félix Mendonça e o deputado estadual José de Almeida Alcântara para inaugurar. Neste dia, boa parte da cidade da gente graúda do centro da cidade estava no bairro da Conceição. Na hora, foguetes estourando, o professor Vieirinha abre uma cerveja e oferece a Alcântara o primeiro copo. Alegando uma indisposição, coisa de um sarapatel que tinha comido na feira, pegou o seu copo e ofereceu a um amigo que lhe acompanhava.

Era o funcionário do Instituto de Aposentadoria e Pensão dos Comerciários (IAPC), o saudoso Manuel Leal, que se tornou o primeiro “piloto de prova” da Baita, numa deferência toda especial do amigo deputado.

Quanto à Baita? Infelizmente não resistiu à concorrência das rivais e terminou sucumbindo. Com isso Itabuna perdeu uma grande oportunidade de se tornar o primeiro polo cervejeiro do Norte e Nordeste, já que Salvador somente anos depois ganhou suas duas primeiras fábricas. Essa é mais uma prova de que somos pioneiros também na fabricação de cerveja.

*Radialista, jornalista e advogado

Author Description

admin

No comments yet.

Join the Conversation