SISTEMA INTEGRADO CACAU-PECUÁRIA É DESTAQUE EM DIA DE CAMPO

A cacauicultura e a pecuária de leite, desenvolvidas de forma integrada, têm a finalidade de maximizar as ações e minimizar os custos de produção

O Sistema Faeb (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado da Bahia, Serviço Nacional de Aprendizagem Rural – Senar e o Sindicato Rural de Canavieiras) promoveu, em parceria com a Fazenda Conjunto Analuana, um dia de campo sobre o Sistema Integrado Cacau e Pecuária. O evento, realizado nesta quinta-feira (18), no imóvel localizado próximo ao povoado de Era Nova, em Canavieiras, reuniu cerca de 200 produtores rurais de várias cidades do sul da Bahia.

Ao abrir as atividades do Dia de Campo, o proprietário da Fazenda Conjunto Analuana, o engenheiro agrônomo Itatelino Leite, ressaltou que os tempos mudaram bastante e hoje somente sobrevive na atividade agropecuária quem tem competência. Segundo ele, a gestão administrativa é quem seleciona os empreendedores rurais, daí a necessidade de inovar, com a finalidade de agregar valor aos produtos.

Atualmente, a Fazenda Analuana tem como principais produtos e cacauicultura e a pecuária de leite, desenvolvidas de forma integrada, com a finalidade de maximizar as ações e minimizar os custos. “Hoje, o agropecuarista que não se adaptar aos novos tempos, trabalhando em parceria com as instituições não terá sucesso no seu empreendimento”, sentenciou.

Para Itatelino Leite, o dia de campo é justamente um evento para demonstrar a metodologia empregada na propriedade, de forma motivacional, para que o produtor rural tenha informações corretas, hoje o insumo mais importante na atividade. “Se antes quem não queria nada era mandado pelos pais para a roça, como castigo, hoje é o contrário, os pais mandam os filhos estudarem para tornarem a empresa rural produtiva e lucrativa”, ressaltou.

PECUÁRIA E CACAU

O dia de campo foi dividido em três setores básicos de manejo integrado adotados na propriedade: Curral, manejo e instalações, direcionado pelo médico veterinário Camilo Neto; Alimentação, pastagens e silagem, orientado pelo instrutor do Senar Clodoaldo Macedo Júnior; e Cacau, implantado por meio de sistemas agroflorestais (SAF), liderado por Itatelino Leite.

De acordo com a filosofia de trabalho implantada na Fazenda Analuana, o cacau deixa de ser uma simples commodity para ser um produto de excelência, o chocolate fino, vendido a preços melhores. Já a pecuária privilegia a qualidade genética, a alimentação dos animais e as instalações, apropriadas para proporcionar ganho de peso em curto espaço de tempo, produtividade na produção leiteira e bezerros de qualidade.

Na Fazenda Analuana o plantel recebe melhoramento genético por meio de fecundação in vitro, inseminação artificial por tempo fixo e inseminação Artificial; a alimentação a pasto é oferecida com os capins BRS da Embrapa, Mombaça e Decumbens, complementados com silagem de milho e sorgo (produzidos na propriedade); ração com casca de cacau in natura; e farelo de casca de cacau e milho enriquecidos.

A pecuária e a cacauicultura de forma integrada permite que a grande a quantidade de material (esterco) produzido por gado leiteiro semiestabulado, é transformado em adubo para a lavoura de cacau, enquanto os casqueiros que normalmente são deixados nas roças promovem uma grande fonte de inóculos que ajudam a disseminar doenças fúngicas, como a podridão parda, vassoura de bruxa, e se transforma em alimento para os bovinos.

Explica Itatelino Leite, que essa integração traz ganhos substanciais para a pecuária, pois a produção da ração no imóvel reduz consideravelmente os custos desse insumo, em vista da riqueza de proteínas e fibras da casca do cacau. O mesmo exemplo também é verificado no uso do esterco na plantação de cacau, pois cada animal produz diariamente cerca de 50 quilos.

O projeto integrado inicial da cacauicultura da Fazenda Analuana contempla uma área (meta) de cultivada de 25 hectares de cacaueiros clonados, irrigados e mecanizados. Todo o cacau colhido nas roças são transportados para a sede onde serão quebrados mecanicamente, enquanto as sementes vão para fermentação ideal para a produção de cacau fino. Já as cascas são desidratadas e transformadas em ração animal.

As áreas de cacau foram implantadas no sistema agroflorestal (SAF), consorciados com coco, banana e mamão. Todas as áreas estão equipadas por um sistema de irrigação por gotejamento que também permite a fertirrigação. Uma das roças visitadas os cacaueiros clonados com material genético de alta produtividade e tolerante à vassoura de bruxa, de apenas 1,6 ano, já apresentavam excelente bilração.

Outro destaque apresentado pelo engenheiro agrônomo Itatelino Leite é a questão da sustentabilidade, de grande importância para o meio ambiente, com a redução de produtos químicos e produção de energia. “O nosso próximo passo é reduzir o custo com a implantação de energia solar e a biogás, bem como passar a aproveitar subprodutos do cacau e do leite, agregando mais valor aos nossos produtos”, promete Itatelino.

SISTEMA FAEB

Presente ao dia de campo, o vice-presidente de Desenvolvimento Agropecuário da Faeb, Rui Dias Souza, ressaltou a importância da troca de informações entre os produtores rurais para o desenvolvimento de suas atividades. Segundo ele, o trabalho implantado por Itatelino na Fazenda Analuana é um exemplo a ser seguido para quem quer ter um empreendimento lucrativo.

Rui Dias destacou que cada vez mais o Sistema Faeb amplia as ações junto aos produtores rurais sindicalizados, promovendo dias de campo, cursos, treinamentos e capacitação gerencial. “Hoje temos a maior rede de assistência técnica do negócio rural e privilegiamos as boas ações como essa, que além de utilizar as modernas tecnologias, ajuda a fixar o homem no campo”, concluiu.

Para o assessor regional do Sistema Faeb, Gilson Liberato, mais uma vez o associado ao sistema conta com um grande evento promovido em parceria como o produtor rural, a exemplo de Itatelino, engenheiro agrônomo com larga experiência profissional e sindical. “Além do grande exemplo técnico e administrativo, Itatelino também demonstrou sua liderança ao contar com a presença de representantes dos sindicatos rurais de Canavieiras, Camacan, Itajuípe, Coaraci, Santa Luzia e Buerarema”, analisou.

O CACAU EM CANAVIEIRAS

O presidente do Sindicato Rural de Canavieiras, Trajano Barbosa, elogiou a coragem e capacidade de Itatelino Leite em implantar um empreendimento desse nível num local antes considerado como de “terra fraca”. “Sabemos que com tecnologia poderemos praticar a agropecuária em locais desprezados anteriormente, com resultados altamente satisfatórios”, informou.

Para Trajano Barbosa, se antes o cacau se concentrava nas ricas e férteis terras às margens do rio Pardo, onde a produtividade chegava às 100 arrobas por hectare, a lavoura com tecnologia praticada nas chamadas áreas periféricas já alcançam cerca de 250 arrobas por hectare. “Hoje o produtor do rio Pardo está atrasado em relação aos que utilizam as novas técnicas, que deverão servir de incentivos aos pioneiros”, concluiu.

O dia de campo contou com a participação de produtores rurais (cacauicultores e pecuaristas) de várias cidades do sul da Bahia, de técnicos da Ceplac de Ilhéus e Canavieiras, de representantes de Banco do Nordeste do Brasil (BNB), do prefeito de Canavieiras, e representantes de empresas de tratores, equipamentos e insumos para a agropecuária.

Author Description

Walmir Rosário

No comments yet.

Join the Conversation