QUEM VENDE O VOTO NÃO MERECE O QUE RECEBEU

Walmir Rosário (*)

Para “destronar” a oposição da Câmara de Itabuna, o prefeito Capitão Azevedo determinou que fossem utilizados os meios disponíveis para “tomar de assalto” o legislativo itabunense. Recursos esses materiais ou humanos, não importando os custos da operação.

Inicialmente, autorizou o secretário da Fazenda, Carlos Burgos, a contratar um escritório de advocacia que tivesse experiência em ações contra o legislativo, com o compromisso de estudar quais as possibilidades de evitar a posse do atual primeiro-secretário, Roberto de Souza, na presidência da Câmara.

Na primeira investida, Burgos trouxe um advogado tido e havido como “caçador de vereadores”, cujo currículo constava a anulação de três eleições de mesas diretoras em municípios baianos. Aqui, estudou o caso em questão, afirmou a viabilidade da empreitada, cobrou o preço que julgou merecer.

Aprovado por Carlos Burgos, o preço, entretanto, foi considerado proibitivo pelo prefeito Azevedo. Ficou o dito pelo não dito, e o competente profissional voltou ao seu escritório sem atuar em Itabuna. Mas, antes de sair, deixou claro que daria conta do serviço e fez as recomendações.

Recomendações essas que foram aproveitadas por gente da casa, o advogado Sargento Raimundo, nomeado para proceder ao “despejo” de Roberto de Souza e seus aliados. Na operação inicial, uma turma foi destinada a realizar os trabalhos no âmbito do legislativo, tentando criar uma cisão entre os vereadores. E conseguiram.

Os antes denominados “independentes”, diante das propostas tentadoras do Executivo, foram cedendo às tentações e ampliando a base parlamentar do executivo. Descoordenada, a reação ordenada pelo prefeito descambou para a criação de uma Comissão Especial de Inquérito (CEI), cujo estrago maior atingiu em cheio um dos aliados: o presidente Clóvis Loiola, “pau-mandado” da dupla Azevedo/Burgos.

A segunda alternativa foi patrocinar um projeto de lei esdrúxulo que cancelasse a eleição anterior, responsável pela eleição de Roberto de Souza presidente da Câmara, em junho do ano passado, por unanimidade. A maior aberração jurídico-parlamentar contou com a aprovação da maioria dos vereadores, entre eles, claro, os eleitores da chapa encabeçada por Roberto de Souza.

Dos 12 vereadores presentes à chicana jurídico-parlamentar, nove votaram a favor da anulação do pleito anterior, inclusive vereadores que compõem a mesa diretora. Quer dizer, votaram contra eles mesmos, atendendo a uma determinação do prefeito capitão Azevedo e do secretário Burgos, numa atitude de desprendimento invejável a mais pobre dos franciscanos.

Destruída a primeira estratégia e como a segunda não tem como resistir uma análise perfunctória de qualquer juiz ou promotor, não restou alternativa ao “grupo palaciano” que não ingressar na justiça para tentar anular a eleição. E qual escritório de advocacia patrocina a causa? O do advogado Carlos Burgos, naturalmente.

E quais os vereadores que contrataram o escritório? Ruy Machado e Rose Castro. Enquanto o primeiro foi o idealizador do projeto de destituição de Loiola da presidência da Câmara, a segunda é irmã do deputado eleito Augusto Castro, cujo escritório de advocacia em que trabalha (mesmo não sendo ele advogado) tem como um dos principais clientes a prefeitura de Itabuna.

Coincidência ou não, na Câmara de Itabuna não existe vereador com vocação para Irmã Dulce, o que deixa subtendida a ideia de que existem “mais acordos pela governabilidade e pelo bem de Itabuna” do que se consegue imaginar. Agora, só resta aguardar quais são os candidatos da dupla Azevedo-Burgos que resolvem protagonizar mais uma farsa.

Como se diz vulgarmente, tanto não presta quem compra voto, como que os vende. Mas essa frase merece ser ampliada: Quem vende o voto não merece o que recebeu.

Não importando se na transação foi uma simples compra e venda cuja moeda de troca foi o real ou um escambo qualquer, como a troca de favores, na maioria das vezes nem sempre bem recomendados.

Esse é o presente de Natal que Itabuna recebe dos seus políticos, no ano do seu Centenário.

(*) Jornalista, advogado, editor do site www.ciadanoticia.com.br

Author Description

Walmir Rosario

No comments yet.

Join the Conversation