O balde de ouro e o leite derramado

Editorial do Jornal Bahia Online

E haja Leite…

Para se manter no poder, tem gente que é capaz de tudo.

Até de se submeter ao ridículo.

O secretário estadual da Agricultura, Eduardo Salles, acaba de divulgar um press release (informativo distribuído a todos os jornalistas do estado), “comemorando” o fato de ter recebido o Troféu Balde de Ouro.

Isso mesmo: Balde de Ouro!

O prêmio é apresentado por sua assessoria como o “Oscar” do leite nacional destinado a personalidades influentes que contribuíram para o desenvolvimento da cadeia produtiva leiteira do país.

Mas, na prática, importância zero, apenas para enganar os incautos de plantão.

Não fosse a vontade do governador Jaques Wagner em promover, no início de 2013, uma ampla reforma administrativa, mudando sua equipe de trabalho, o balde não teria tanta importância.

Salles é conhecido entre assessores e a imprensa estadual como um homem que cultua a própria personalidade. Entende de tudo. Está certo sempre.

É do tipo capaz de tirar a campainha da porta de casa para, quem chegar, aplaudi-lo desde a porta de entrada.

Por detrás desta magnífica notícia, capaz de orgulhar a todos os baianos, a divulgação de o balde de ouro é, na essência, uma tentativa orgulhosa e sem cabimento de o secretário querer preservar o cargo que lhe dá status e um certo prestígio político.

Enquanto isso, a lavoura cacaueira, que é a nossa praia, não tem muito o que comemorar.

Resta-nos chorar pelo leite derramado.

Author Description

Walmir Rosario

No comments yet.

Join the Conversation