CRIME ECOLÓGICO ABALA A CONFRARIA D’O BERIMBAU – CULPADOS SERÃO PUNIDOS, DIZ SECRETÁRIO PLENIPOTENCIÁRIO

Walmir Rosário*

Por falta do que fazer não era, mesmo assim pouquíssimos membros da Confraria d’O Berimbau percebiam o pé de Abiu (Pouteria caimito), frondosa árvore frutífera da família Sapotaceae, ao lado das mesas do Berimbau. No mínimo, acreditavam que plantas, com suas raízes e folhas teriam importância e serventia era do lado de dentro do balcão, mais exatamente no interior daqueles litros e garrafas conhecidas como “folhas podres”.

E olha que a sombra do galhardo abieiro refrescava – e muito – os sábados ensolarados em que costumeiramente se consumiam – e consomem – cervejas, cachaças e o deliciosos tira-gostos. Por falar em comida, no Berimbau é Lei: bebeu tem que comer. E a organização interna prescreve que no primeiro sábado do mês, o cardápio é o tradicional mal-assado, já nos seguintes, fica a cargo dos confrades que submetem à diretoria o prato que deverão levar.

Mas, e o crime? Qual foi? Quem cometeu? Pois é, o fiel e prestimoso pé de abiu teve um fim trágico, sem direito a julgamento. Foi condenado e executado sem defesa…quer dizer, até teve, mas sem fôlego. Pior, ainda, sem ser velado. Certeiros golpes de machado e virou lenha, deve ter ardido num forno de uma dessas padarias ou pizzarias da cidade.

Pior, foi derrubado por engano. Jura, Zé do Gás, que jamais cometeria uma atrocidade desta com o abieiro plantado com todo cuidado e carinho pelo estimado sogro Neném de Argemiro. Além do mais, foi transformado em árvore de estimação pela sogra Terezinha Sarmento, transmitida em testamento para a esposa Vera.

“Deus me livre de uma blasfêmia dessas”, jura Zé do Gás, imputando toda a culpa ao contratado para derrubar um toco que restava no quintal, sobra de uma árvore, esta, sim sem serventia e que ainda atrapalhava a expansão das atividades da Confraria do Berimbau. Até mesmo o padeiro – que nada tinha a ver com o feito – não acreditou quando percebeu as primeiras machadadas certeiras o inocente abieiro

Mas nem todo o valor sentimental da família Sarmento e dos membros da Confraria d’O Berimbau foram suficientes para conter o tresloucado gesto do insensível machadeiro. Foram cerca de 10 cortes de machado em cada lado e o abieiro, considerado um membro da família veio abaixo. Sem dó nem compaixão.

Mas o pior ainda estava por vir. Bastou dona Terezinha vislumbrar a grande claridade deixada pela ausência do abieiro para se dar conta de crime cometido. Imediatamente, convocou os membros da família para cobrar a autoria do crime, pois, afinal, o exemplo começa em casa. Enquanto a filha Vera negava peremptoriamente qualquer participação do hediondo crime ambiental, Zé do Gás se desculpava sob o argumento de que se encontrava nos “braços de Morfeu”, como se fosse possível se encontrar em pleno sono num momento delicado dessa magnitude.

Pela leis do Berimbau, o crime ambiental será levado à apreciação do Secretário Plenipotenciário, que deverá abrir uma investigação para apurar as responsabilidades. Uma das linhas de investigação apontou que o abieiro teria sido abatido para dar lugar à construção de um mictório para os confrades e uma churrasqueira, conforme projeto elaborado pelo engenheiro de Minas, Gilbertão.

De antemão, ficou convocado o engenheiro agrônomo José Alves, especialista em paus e madeiras, que deverá prestar compromisso e restabelecer a vegetação original.

“Justiça será feita, doa em quem doer”, falou do alto de sua autoridade o Secretário Plenipotenciário d’O Berimbau.

* Radialista, jornalista e advogado

Publicado em 30-09-2015

Author Description

admin

No comments yet.

Join the Conversation