CONFRARIA D’O BERIMBAU QUER RECEBER, EM GRANDE ESTILO, O PROFESSOR DURVAL

Walmir Rosário*

Uma empreitada pra lá de especial. Para alguns, chega a ser considerado um grande desafio sem precedente na história da Confraria d’O Berimbau: fazer com que o professor Durval Pereira da França Filho aceite o convite de visitar as instalações deste instituição que é considerada o mais fino reduto da boemia de boteco de Canavieiras.

A depender do ângulo analisado, nada de mais para um historiador renomado visitar para conhecer – in loco – o templo histórico de farras e festas homéricas de canavieirenses e visitantes não menos ilustres. Sem falar na figura ilustre do fundador e antigo proprietário, Neném de Argemiro, que na pia batismal adotou o nome de Eliezer Rodrigues, hoje representada por Zé do Gás.

Caso o desavisado leitor ainda não tomou conhecimento de tanta peroração, o ambiente não é daqueles em que o professor e bancário aposentado Durval França ponha seus pés, pelo menos por vontade própria. O laço que pode unir O Berimbau e o professor não são as mesas abastecidas com aperitivos da fina cana e garrafas de cerveja e sim o potencial histórico.

Confrades aprovam a visita do historiador Durval Pereira da França Filho à Confraria

É que Neném de Argemiro – mais uma vez – foi reconhecido pelos seus feitos em prol da cultura de Canavieiras, incentivando o Carnaval da cidade com suas fantasias inéditas e inusitadas, desfilando nos blocos que ele mesmo e sua família criavam. Curriculum mais rico e consistente não haveria de aparecer, tanto que foi distinguido com tamanha honraria de ter sua memória reverenciada na Festa de Momo.

Ora, mas seria O Berimbau um antro de perversão, um valhacouto de vagabundos ou um antro de perversão, em que a simples presença do nosso festejado historiador tivesse sua honra maculada? Não chega bem a isso, mas para um cidadão que já passou dos 70 anos sem qualquer anotação de sua presença num ambiente onde as bebidas alcoólicas predominem na preferência dos seus frequentadores.

Pra começo de conversa, a Confraria D’O Berimbau é um estabelecimento sui generis que opera no ramo etílico com leve ampliação para eventual alimentação do seus membros, aos sábados, a partir das 9h51min até o último cliente. E é essa plêiade boêmia a responsável pelo sucesso dessa entidade etílico-cultural-recreativa, formada por intelectuais, profissionais liberais, funcionários públicos e privados de todas as classes econômicas, representando uma clientela heterogênea.

Professor Durval ainda não decidiu visita

Mais do que provado está que além de probo e recatado, o professor Durval é um homem religioso e fiel seguidor da Igreja Adventista do Sétimo Dia, que abomina esses locais nem tão bem-afamados. Para preservar o conceito e a moral do professor, de antemão os confrades explicam que a visita é estritamente profissional, sem qualquer finalidade gastronômica ou etílica, principalmente.

Essa afirmação dos confrades não garante, entretanto, a suspensão dos trabalhos d’O Berimbau, para que não se perca a originalidade do ambiente a ser pesquisado pelo historiador. As discussões serão mantidas, bem como todo o serviço de bar e o professor será recebido em alto estilo, ao badalar do sino, conforme manda a tradição.

Durante a reunião preparatória da visita um dos confrades se mostrou receoso diante de uma possível mudança de hábito do festejado mestre, que poderia aderir ao novo estilo de vida dos confrades, haja vista precedentes históricos. Chegou mesmo a lembrar a conduta de um professor, pastor de conceituada igreja protestante, que contagiado com a inauguração do sistema elétrico da cidade, mandou “fechar” geladeira, freezeres e litros da mais legítima cachaça de folha e batidas, para a comemoração entre amigos.

Beirando a maledicência, outro confrade chegou a jurar o recato do professor, embora alguns elementos conhecidos pela má-língua comentassem a boca pequena, que no recôndito do seu lar, o professor provasse um bom whisky, desde que provada sua legítima procedência escocesa. Mesmo sem provas materiais, a justificativa é que todos os colegas do Banco do Brasil vendiam os litros recebidos na cesta de natal. “Até hoje não temos nenhuma notícia da comercialização dos presentes recebido pelo professor Durval”, sustentou o ex-colega.

Para corroborar a desconfiança – que se tornava uma quase verdade –, um outro indício foi tornado público. Este se passara na defesa da dissertação de mestrado do professor, quando um dos membros da comissão julgadora, o professor doutor Jorge Araujo fez questão de anunciar em alto e bom aos presentes ser o candidato a mestre seu parceiro de copo e colega de mesa de bar nos tempos da juventude, para surpresa de amigos e familiares. Nada mais disse nem lhe foi perguntado, como costumam anotar os escrivães em inquéritos e processo.

A essa altura do campeonato, o professor Durval já era tido e havido como um bem provável futuro colega – quiçá confrade – após a primeira visita de trabalho. Afinal, que local mais apropriado que a Confraria d’O Berimbau para acolher, refugiar e abrigar figura tão ilustre? Ainda mais por se tratar de uma pesquisa histórica a ser transformada em livro para dar ciência dos fatos à posterioridade.

Pelo sim, pelo não, durante a entrega do convite formal ao historiador, os confrades farão questão de informar que O Berimbau é um porto seguro para reunir – generosamente – parcela tão ilustre da boemia canavieirense. E no reforço ao convite constava tão brilhante metáfora: Se os melhores perfumes estão contidos nos menores frascos e as mais belas e cheirosas flores nascem no lodo, a Confraria d’O Berimbau reúne o que existe de melhor na arte, refinamento e sofisticação etílica.

Se crucificaram até Jesus Cristo, o que não farão esses fariseus com um apóstolo Dele…

Um grande impasse é que a Confraria d’O Berimbau só funciona aos sábados, dia de guarda do professor Durval. Uma das partes terá de ceder…ou as duas, quem sabe…

* Radialista, jornalista, advogado e um dos confrades

Author Description

admin

There are 1 comments. Add yours

  1. 7th abril 2019 | José Tolentino says: Responder
    Vai, Durval, ser "gauche" na vida. A esbornia lhe espera.

Join the Conversation