CONFIANDO NA BAHIA

Walmir Rosário*

As estatísticas revelam que nos últimos oito anos houve um grande crescimento positivo no mercado baiano. O mercado tem acompanhado passo a passo esse desenvolvimento e hoje a Bahia é um dos principais estados brasileiros em despertar o interesse de países compradores, especialmente da Europa e do Mercosul. A criação de facilidades de exportação tem sido motivo de trabalho da Promoexport, acompanhando e assessorando empresários baianos na busca de novo nichos de mercado.

Apesar das dificuldades econômicas surgidas no país e ocasionadas pelas oscilações do mercado financeiro internacional, o Governo do Estado tem tido a sabedoria necessária para atrair investimento para a Bahia, especialmente para o interior. São indústrias que chegam com pesados investimentos, diversificando a fonte da economia. Agora, somente na região cacaueira, milhares de postos de trabalho estão sendo gerados nas fábricas de calçados, meias, bicicletas, derivados de cacau, dentre outras que aqui estão se instalando.

Essa diversificação faz com que não passemos a depender apenas do cacau, única matriz econômica regional capaz de gerar empregos em massa. Faz bem lembramos que a cacauicultura também inicia o seu período de transformação, renovando os cacaueiros decadentes por plantas tolerantes à vassoura de bruxa e de alta produtividade, renovando as esperanças de produtores rurais, operários, enfim, de toda a cadeia produtiva e da sociedade regional sul-baiana.

Esses investimentos, além de gerar novos postos de trabalho, ainda são responsáveis pela mudança na mão-de-obra, que agora precisa ser especializada para atender à modernização cada vez mais crescente das atividades. O aumento quantitativo e qualitativo da nossa mão-de-obra não é apenas uma questão circunstancial, mas, sobretudo, um elemento a mais na economia, pois com o conhecimento adquirido, também chegam os melhores salários e, consequentemente, a satisfação das necessidades e o aquecimento do mercado.

É visível que não vivemos num oásis de prosperidade, mas não podemos fechar os olhos e desconhecer o período de crescimento que temos experimentado nesses últimos oito anos. Sabemos que a questão do emprego não é apenas um problema do Brasil e que aflige diretamente o mundo inteiro, desencadeada pela crescente globalização. Mudou o tipo de emprego, a relação de trabalho, e o Estado já está envidando esforços para encaminhar, recolocar essa força trabalhadora no mercado produtivo.

Não podemos desanimar com os acontecimentos momentâneos e nem acreditar em mensagens negativistas veiculadas com finalidade meramente político-eleitoral. O lojista, por formação, é um empreendedor que trabalha com portas abertas seduzindo clientes através da comunicação visual e mensagens de otimismo. Não devemos desacreditar nossos governantes que nos provam a competência com realizações cada vez mais frequentes, no intuito de corrigir as distorções ainda existentes na sociedade. Nada substitui nossa confiança e nosso otimismo.

* Radialista, jornalista e advogado

Publicado no caderno Momento Empresarial do Jornal Agora em 04-10-1998

Author Description

admin

No comments yet.

Join the Conversation