Caetano Veloso é uma das atrações do Festival “Amar Amado”

Caetano Veloso é uma das grandes atrações

Quatro grandes shows musicais estarão agitando a programação do Festival “Amar Amado”, ponto alto das comemorações alusivas ao centenário de nascimento do escritor Jorge Amado, que acontecerá no período de 4 a 12 de agosto. Além da presença de grandes nomes da MPB, o festival também será marcado por palestras, filmes, cursos, saraus, peças teatrais e ciclos literários. Segundo a Fundação Cultural (Fundaci), os eventos serão gratuitos e acontecerão em diversos pontos, como o Quarteirão Jorge Amado, o centro de convenções Luís Eduardo Magalhães, os prédios históricos e as ruas e avenidas da cidade.

De acordo com a programação divulgada, neste sábado (4), a partir das 22 horas, no palco principal instalado na praça Dom Eduardo (praça da Catedral), o público regional terá a oportunidade de conferir toda a versatilidade do cantor e compositor Moraes Moreira. No mesmo local e horário, também estarão se apresentando a cantora Margareth Menezes (dia 9) e a família Caymmi (dia 11). No dia 10 de agosto, quando Jorge Amado estaria completando 100 anos, as homenagens ao escritor contarão com um grande show de Caetano Veloso.

O Festival “Amar Amado” será aberto às 16 horas deste sábado (4) com dois eventos: um sarau na praça Pedro Matos (Praça do Teatro) e uma visitação à Exposição “Orixás”, de Osmundinho Teixeira, na Casa de Cultura. Meia hora depois, na galeria do Teatro Municipal, o público terá a oportunidade de conferir a abertura da exposição “Amadas Paisagens – Um encontro entre artistas” e o painel fotográfico “O Amado e Eu”. Na sequência, por volta das 17 horas, o auditório da Fundação Cultural estará abrigando um Workshop de Arranjos para Orquestra com o maestro Ubiratan Marques. Seguindo, às 19 horas, no Teatro Municipal, acontecerá a abertura oficial do evento com o pronunciamento de autoridades e uma homenagem à família Amado e à ministra da Cultura, Ana de Hollanda. Ainda no TMI, às 19h30min, “Leitura Amadiana com Jorge Amado Neto” e, às 20 horas, a apresentação da Orquestra Afro Sinfônica. Concluindo a programação do dia 4, no palco principal da praça da Catedral (Praça D. Eduardo), mais dois eventos: apresentação cultural com artistas da terra, às 21 horas, e show com o cantor e compositor Moraes Moreira, a partir das 22 horas.

Biografia – Jorge Amado nasceu em 10 de agosto de 1912, na fazenda Auricídia, distrito de Ferradas, município de Itabuna, Sul da Bahia. Filho do cacauicultor João Amado de Faria e de d. Eulália Leal Amado, Jorge passou a infância em Ilhéus. Já em Salvador, fez os estudos secundários no Colégio Antônio Vieira e no Ginásio Ipiranga. Neste período, começou a trabalhar em jornais e a participar da vida literária local, sendo um dos fundadores da Academia dos Rebeldes.

Publicou seu primeiro romance, O País do Carnaval, em 1931. Casou-se em 1933, com Matilde Garcia Rosa, com quem teve uma filha, Lila. Neste mesmo ano, publicou seu segundo romance, Cacau. Formou-se pela Faculdade Nacional de Direito, no Rio de Janeiro, em 1935. Militante comunista, Jorge foi obrigado a exilar-se na Argentina e no Uruguai entre 1941 e 1942, período em que fez longa viagem pela América Latina. Ao voltar, em 1944, separou-se de Matilde Rosa.

Em 1945, foi eleito membro da Assembléia Nacional Constituinte, pelo Partido Comunista Brasileiro (PCB), tendo sido o deputado federal mais votado do Estado de São Paulo. Jorge Amado foi o autor da lei (que continua em vigor até hoje) que assegura o direito à liberdade de culto religioso. Nesse mesmo ano, casou-se com Zélia Gattai. Em 1947, ano do nascimento de João Jorge, seu primeiro filho com Zélia, o PCB foi declarado ilegal e seus membros perseguidos e presos. Jorge teve que se exilar com a família na França, onde ficou até 1950. Em 1949, morreu no Rio de Janeiro sua filha Lila. Entre 1950 e 1952, viveu em Praga, onde nasceu sua filha Paloma. Retornando ao Brasil em 1955, o escritor se afastou da militância política, embora tenha continuado nos quadros do Partido Comunista.

Imortal– Após o afastamento da militância política, Jorge Amado passou a dedicar-se integralmente à literatura. Em 6 de abril de 1961, foi convidado para a cadeira de número 23, da Academia Brasileira de Letras, que tem por patrono José de Alencar e, por primeiro ocupante, Machado de Assis. A obra literária de Jorge conheceu inúmeras adaptações para o cinema, teatro e televisão, além de ter sido tema de escolas de samba em várias partes do Brasil. Seus livros foram traduzidos em 49 idiomas, existindo também exemplares em braile e em formato de áudio-livro. O romancista morreu em Salvador, no dia 6 de agosto de 2001. Seu corpo foi cremado e suas cinzas enterradas no jardim de sua residência, na Rua Alagoinhas, no bairro do Rio Vermelho, no dia em que completaria 89 anos.

Author Description

Walmir Rosario

No comments yet.

Join the Conversation