DO PÚBLICO AO PRIVADO

http://ciadanoticia.com.br/wp-content/uploads/2018/11/Pesquisas.jpgDO PÚBLICO AO PRIVADO

PESQUISAS

Faltando um pouco mais de um ano para as eleições municipais, os institutos de pesquisa comemoram os resultados positivos. As encomendas não param e os clientes não se restringem aos políticos interessados em se candidatar aos cargos de prefeito e vereador.

As empresas também fazem questão de conhecer a tendência do eleitorado. Neste caso, os números servem como base para ter conhecimento dos prováveis vencedores. Em alguns casos, pode definir em quais candidatos investir e os índices de confiança de cada um.

DECISÕES

As pesquisas também são fundamentais para os políticos decidirem se realmente serão candidatos ou as possibilidades de coligações. Existem aqueles espertos que se lançam com a finalidade de conseguir lucrar (não deveria, mas tem) com os partidos nanicos, alugando-os para candidatos bem-dotados financeiramente.

Já outros, se apresentam apenas para marcar posição e conseguir cargos nos governos municipais (Executivo ou Legislativo). Esses, geralmente não encomendam pesquisas e se preocupam apenas em formar uma boa legião de seguidores nos bairros onde residem. Ainda tem os chamados “cavalos paraguaios”, que mantêm um bom índice nas pesquisas, mas insuficientes para lograr êxito, seja por falta de “fôlego” financeiro ou de coligação partidária.

MEMÓRIA FRACA

Chamou bastante a atenção dos participantes da visita às obras do Terminal Pesqueiro de Ilhéus a independência do diretor-presidente da Bahia Pesca, Isaac Albagli, que não citou, em momento algum de seu discurso, os nomes do governador da Bahia, Jaques Wagner, e do seu padrinho político Jabes Ribeiro.

O comentário entre os presentes era o de que os tempos são outros e o culto à personalidade dos “caciques políticos” é coisa do passado. Um deles não se conteve e tascou:

– Albagli que se cuide, pois Jabes não costuma perdoar os rebeldes, e nem secou a tinta da caneta de Jaques Wagner – brincou.

E olha que Isaac Albagli era considerado o “Havengar” de Jabes.

FOGO CERRADO

Os possíveis candidatos a prefeito e vereador já começam a trocar farpas entre eles. Caso um não tem defeito o outro o coloca, tudo por conta de um pequeno espaço nos meios de comunicação, notadamente nas emissoras de rádio e nos blogs.

Valem até apelidos e palavrões. Do pescoço pra baixo tudo é canela.

BAJULAÇÃO

Mas nem todos os políticos utilizam essa técnica. Alguns deles, de preferência os detentores de mandatos e que buscam a reeleição, tem outro modus operandis: se transformam em verdadeiros bajuladores, fazendo elogios fáceis e desnecessários na mídia. Já na ausência…é um atrevimento só.

CIDÃO

O secretário municipal de Governo da Prefeitura de Ilhéus, Alcides Kruschewsky, reuniu amigos e colaboradores para um almoço na Churrascaria Nego Novo, no Banco da Vitória.

Conversas versaram sobre todos os assuntos, inclusive política. Mas o clima que prevaleceu mesmo foi o da camaradagem.

BOA NOTÍCIA

O Governo do Estado da Bahia vai simplificar a participação de micro e pequenas empresas (MPEs) em licitações públicas estaduais. A determinação estabelecida pelo Decreto n° 12.678, publicado no Diário Oficial, vai padronizar as especificações técnicas dos produtos licitados e divulgar um calendário anual, com os certames, a fim de orientar a participação dos empresários.

As informações serão disponibilizadas no portal de compras públicas do Estado, o Comprasnet Bahia (www.comprasnet.ba.gov.br).

CONTAM POR AÍ

Em plena campanha eleitoral, o deputado federal Josias Gomes chega ao Alto Beco do Fuxico, em Itabuna, para rever os amigos, pedir votos e tomar uma cerveja para restabelecer as energias.

Bem chegado ao sítio etílico, também levou uma legião de “companheiros”, entre eles Everaldo Anunciação. Assim que assomou a porta do bar “Artigos para Beber” foi indagado pelo advogado Pedro Carlos Nunes de Almeida, o Pepê:

– Deputado, o senhor comprou a Insinuante? – perguntou.

Ainda atônito, Josias ficou sem entender nada do que se passava e balançou a cabeça negativamente, no que Pepê explicou:

– Andando com uns “guarda-roupas desses, alguém vai pensar que está em liquidação – gracejou.

Os dois guarda-roupas em questão eram o sindicalista Martiniano Costa, que foi dirigente regional da CUT, e Joel Gomes, irmão de Josias, ambos de porte avantajados e com aparência de dois grandes armários, daí a pergunta na ponta da língua de Pepê.

Author Description

admin

No comments yet.

Join the Conversation